Meu Jardim Interior — Página 3 de 23 — Um mundo de experiências!

COMO A ANSIEDADE ME AFETA

23 • 04 • 2017

IMG_0273

ANSIEDADE: é um estado psíquico de apreensão ou medo provocado pela antecipação de uma situação desagradável ou perigosa.

Quem aí já sentiu ansiedade? A ansiedade pode acontecer de vez em quando e é normal que isso ocorra. Como por exemplo dias antes de uma viagem muito esperada seu estômago começa a embrulhar e seu coração fica acelerado, você passa a noite anterior ao embarque em claro só imaginando como será; ou antes de uma prova muito importante você rói todas as unhas com medo de não ir bem, etc.

A ansiedade se torna algo perigoso quando ela começa a fazer parte do seu dia-a-dia prejudicando a sua vida e a sua saúde.

Sabe o que a ansiedade faz comigo? Ela me paralisa. Quando a crise é muito forte ela me faz passar mal, do tipo que vomita e a pressão cai. E sabe o que eu faço pra me proteger dela? Eu durmo.

Esse final de semana foi mais um exemplo de como a ansiedade, com todo o respeito, f*de com a minha vida. Quinta-feira terei prova de cálculo e de química e, por isso, tenho que estudar muito. E como sexta foi feriado, teria sexta, sábado e domingo para fazer a lista de exercícios que é a parte mais pesada e durante a semana eu estudaria com mais calma.

Mas… eu fiz isso?

A resposta é: não. Sexta eu fiquei sem fazer nada. Eu dormi demais. Não tinha nada legal nas redes sociais. Aí sabe o que decidi fazer? Faxina no meu quarto. Limpei tudo e deixei cheiroso, com o pretexto que isso me ajudaria a estudar. Não ajudou. Sábado? Acordei cedo e não fiz nada. Domingo? Acordei as 7h, o que pra mim é cedo e fiquei até as 12h implorando pra coragem pra eu começar a estudar!

E foi por isso que decidi vir aqui desabafar com vocês. Porque a ansiedade tá ferrando com a minha vida acadêmica. Eu tenho PAVOR das provas. Dos trabalhos nem tanto, mas das provas… Eu começo a ler os textos e fico frustrada pois acabo não conseguindo me concentrar e as palavras não se fixam na minha mente. Decidi, portanto, que irei procurar por ajuda. Vou realmente procurar um psicólogo pois eu tô é inconformada em como a ansiedade tá afetando absurdamente um sonho que eu ralei muito pra conquistar.

E minha dica pra você é: se a ansiedade está te afetando também, não espere surtar para procurar ajuda. Sério, não tem problema algum pedir ajuda.

Mas a ansiedade não surgiu na minha agora. Ela retornou com forças no final do ano passado, quando saí do meu trabalho para me focar só na faculdade. Eu comecei a me cobrar mais do que deveria. Mas a primeira vez que lembro da ansiedade ter entrado na minha vida foi na primeira vez em que fui ao Hopi Hari. Eu tinha 7 anos e era uma excursão com a escola. E como eu era mais nova, os pais poderiam ir junto se quisessem. Minha mãe quis. O problema foi que quando eu vi que estava chegando, eu estava tão ansiosa, que foi só eu descer do ônibus pra que eu começasse a vomitar todo meu café da manhã e, logo em seguida, desmaiasse. PUFT! Simples assim. Passei metade do dia na enfermaria :/ saí de lá e ainda consegui ir em alguns brinquedos, mas a ansiedade ferrou com um passeio que era pra ser legal.

Quando criança, minha mãe começou a perceber que eu estava dormindo demais e veio conversar comigo. Eu justifiquei dizendo que era somente sono… mas ela me respondeu: “não, você usa o sono como fuga pra escapar dos seus problemas”. E essa frase não saiu da minha cabeça pois, mesmo hoje com 21 anos, continuo usando o sono como fuga.

Só que eu cansei. Cansei da ansiedade ferrar com a minha vida. E é por isso que eu decidi que irei passar no psicólogo. E é por isso que estou escrevendo aqui também, abertamente. Para que você, que sofre com ansiedade saiba que não é besteira. Que ansiedade é um negócio sério (sim, tem um amigo meu que toma remédio tarja preta pra ansiedade) e que a melhor forma de lutar contra ela é confrontá-la.

Vamos confrontá-la juntos?
Para mim, pelo menos, parece bem difícil lutar contra ela sozinha.

Com amor, Li.

Postado por Lilian

O BULLYING E EU

16 • 04 • 2017

IMG_0339

Nunca pretendi escrever sobre bullying. Mas estava eu assistindo um vídeo da Bruna Vieira (esse aqui) quando sem querer querendo me identifiquei completamente com ele. E acreditem, só de começar a escrever esse post, lágrimas já começaram a rolar pelo meu rosto.

Sofri bullying dos meus 7 anos até os 15. E eu não sofri um bullying de leve, não. Durante a minha infância (e todos que estudaram comigo no ensino fundamental irão lembrar) eu era chamada de girafa. Tipo, me chamavam mais de girafa do que pelo meu próprio nome. E tudo isso por que? Porque eu sempre fui a aluna mais alta da turma: mais alta que as meninas E que os meninos também.

E essa impotência de ser chamada de girafa constantemente foi me tornando uma pessoa irritadiça. Porque a brincadeira não acontecia somente na escola, mas acontecia fora da escola também. Certa vez, eu estava viajando com a minha melhor amiga (e eu tinha uns 9 anos nessa época) quando a cunhada dela que era uns 3 anos mais velha que nós começou a me chamar de poste. Ela olhou pra um poste e disse: “olha a Lilian ali”. E eu tentei debater com ela, mas ela e a prima da minha amiga caíram na risada. Minha amiga disse pra eu não ligar… Até que a menina continuou a me zoar e eu fiquei tão nervosa que grudei nela e enfiei minhas unhas na pele dela até sangrar.

Eu estava furiosa. E não estava furiosa só por aquela situação. Eu estava furiosa por anos sofrendo bullying sem eu ter feito algo para merecer aquilo. Qualé! Eles me zoavam pela minha altura. Mas por acaso eu tinha que cortar minhas pernas para que parassem de zoar de mim?

Daí que o tempo foi passando, as pessoas foram crescendo e apesar de eu continuar sendo a pessoa mais alta da sala, as zoeiras pararam. Até que eu tivesse que, no primeiro ano do ensino médio, mudar de colégio. Fui de um colégio particular onde eu havia estudado por 8 anos, para um colégio público pois minha mãe não tinha mais coragem de pagar escola pra mim.

E eu achava que já tinha sofrido bullying o suficiente, né? Sabia de nada, inocente. Neste colégio, fui ao inferno e voltei é a única definição plausível. Fui odiada pelas meninas pois vinha de escola particular. Detestada pelos meninos por ter cara de patricinha e ser inteligente. Minha única salvação ali foram três amigas que fiz. As meninas me excluíram, mas os meninos fizeram coisas bem piores. Eles diziam, toda semana, que iam me pagar na saída. Que não adiantava eu tentar fugir, que eles iriam me seguir. Uma vez, um deles ameaçou tirar o pênis pra fora da cueca e passar na minha cara. OI? Algumas vezes eu ficava quieta e ia pra casa olhando pra trás, pra ver se não tinha ninguém me seguido. Em outras eu começava a chorar na sala de aula e tinha que ir pra diretoria, pra denunciá-los, enquanto a escolta da polícia vinha pra escola e eu esperava todos os alunos terem ido embora pra ir pra casa. E em outras eu simplesmente ficava enfurecida e começava a discutir com eles em plena sala de aula. E eram isso que eles mais odiavam em mim. O fato de eu não ficar quieta.

“Ah Lilian mas vai dizer que ninguém fez nada?”. Não. Tinham algumas pessoas da sala que eram até legais, mas tirando duas amigas minhas que sentavam comigo ninguém ousou rebater o que aqueles garotos cruéis diziam. Eles também tinham medo. Eu tinha medo. Uma das minhas amigas, Gi, começou a sofrer bullying também depois de tentar me defender deles. Dizem que é nessas horas que a gente descobre quem é nosso amigo e acredito que se não fossem por elas eu teria desistido.

Comecei a dormir nas aulas. Eu simplesmente não queria ir pro colégio. Chegava em casa e chorava chorava chorava. Faltava o máximo que podia. Até pouco tempo atrás não podia nem passar na rua desse colégio que me trazia más lembranças e me dava arrepios.

Hoje eu sou uma pessoa muito mais forte. Confesso que não ligo mais para o que as pessoas pensam de mim. Saio de casa com roupas confortáveis, sem maquiagem, cabelo sem pentear. Sinceramente? Eu realmente não ligo. Todo esse sofrimento que passei me fez eu me aceitar como sou. Aceito a minha altura, meus cabelos volumosos, minhas estrias, meus seios pequenos. Gosto de quem sou. Confesso que gostaria de mudar algumas questões estéticas, mas me sinto confortável comigo mesma. Me sinto bem na minha própria companhia e não sinto necessidade de agradar ninguém. Meu namorado e minha mãe que o digam. Eu me acho bonita, inteligente, determinada e sonhadora. E não preciso provar isso para ninguém.

E a minha resposta para todos os praticantes de bullying bem como a minha mensagem para quem sofreu bullying mas também para quem nunca praticou, nem nunca sofreu, é o seguinte texto da Hariana Meinke:

“Tá sendo a melhor versão de si mesmo pra você e pros outros? Ser gentil e agradável é uma opção que a gente faz todos os dias a cada vez que vai falar com alguém – seja conhecido ou não. Tá fazendo parte da vida do outro com cuidado e assumindo a responsabilidade do efeito que você pode fazer sobre as pessoas ou tá agindo de qualquer jeito e sendo qualquer pessoa? É tudo uma questão de escolha”.

Com amor, Li.

Postado por Lilian

INSTAX MINI 8

09 • 04 • 2017

Sou apaixonada por câmeras. E apesar de saber que provavelmente já existem algumas centenas de milhares de resenhas sobre a Instax, vim aqui para compartilhar minha experiência com ela. Ah! E a partir daqui vamos chamá-la pelo nome, ok? – sim, eu coloco nome nas minhas câmeras – e o nome dessa é Lilo. De Lilo & Stitch, sabem? Amo!

Para quem não conhece, a Instax Mini 8 é uma câmera no estilo polaroid, onde a foto é impressa pela própria câmera no momento em que você bate a foto. Para usá-la você precisa de duas pilhas alcalinas AA (vão durar anos, acredite em mim) + um filme que é próprio para ela, cada cartucho vem com 10 poses. Ela possui flash e um ajuste com 5 opções, de acordo com a luminosidade do dia (para dias ensolarados, nublados, noite).

IMG_0495

Ganhei a Lilo de presente de aniversário do Dan, em 2014. Chorei e dei uns pulinhos histéricos quando ganhei ela, pois eu queria uma dessas há um tempão, hehe. Pelo que acabei de ver no Buscapé, os preços vão de 349,00 a 455,00 e esses é um dos motivos para que eu a considere uma câmera barata. O problema é que uma caixinha do filme com 20 poses está custando em torno de 80 reais. :O Antes dessa palhaçada do dólar, custava uns 40. Sdds dólar baratinho, Brasil.

E você pode encontrá-las em todas essas opções de cores:

instax_mini_8(foto retirada do Google)

IMG_0714

Este é a parte traseira da Instax, esse retângulo é onde encaixamos o cartucho de poses. Já esse círculo onde está o número 5, indica quantas poses eu ainda tenho para uso (que no caso são cinco… socorro que minhas poses acabaram :/)

IMG_0715

Esse botão branco em foco na foto é onde você aperta para ligar a câmera. Quando apertá-lo a câmera fará um pequeno barulho, acenderá uma luz vermelha e a objetiva sairá para fora. Para desligar a câmera é só empurrar a objetiva para dentro com a mão mesmo.

IMG_0716

Esse outro botão branco é utilizado para bater as fotos, portanto: cuidado para não apertar sem querer. Quando você clica nele a câmera faz um barulho e a foto saí pela parte de cima da câmera.

IMG_0718

Ali você pode ajustar a iluminação da câmera. PS.: É com isso que você tem que tomar mais cuidado na câmera. Já coloquei a opção errada e a foto saiu branca demais ou escura demais e joguei fora à toa. Outra coisa: a lente é de 60mm, não tire fotos com muita distância, senão ela vai sair bem escura :/

IMG_0501

Uma parte das minhas fotinhas com a Instax. Quero fazer um varalzinho de decoração com elas 🙂

IMG_0801

image1

O tamanho das fotos é o mesmo que de um cartão de crédito.

IMG_0492

Flash: você consegue tirar fotos entre 0,6 a 2,7 m de distância.

 

VALE À PENA?

Para quem gosta de fotografia ou pra quem curte coisas diferentes, vale muito à pena sim. Pra quem está com a grana curta como eu, é só deixar para usar a Instax em momentos especiais. Eu, por exemplo, levei ela quando viajei pra Curitiba; no meu aniversário de 21 anos; na minha viagem para Minas em 2015; no meu aniversário de 2014, etc. Hoje eu continuo a amando e tendo um carinho especial por todos os momentos que renderam um momento gravado por ela, mas no começo… Sabe quando a sua euforia mal cabe em você? Só de pegar ela na minha mão já arrepiava! HAHAHAHAHA

Por fim, sou apaixonada por coisas criativas e divertidas assim. Me divirto muito com a Instax! Se você tiver uma também, me conta sua experiência com ela nos comentários 🙂

Com amor, Li.

Postado por Lilian

Meu Jardim Interior • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por